Adrianna Hilsdorf: como investir em uma startup

A batalha para uma startup crescer está dando o que falar no Brasil… Por isso, no novo episódio do podcast At The Money, Adrianna Hilsdorf te mostrará quais os caminhos jurídicos e legais mais importantes para a construção de uma startup no país. 

Quem é Adrianna Hilsdorf?

Advogada com especialização em Direito Internacional, Direito Civil e Startup, Adrianna atua há mais de 10 anos no mercado, e hoje é membro da Comissão de Startups e Inovação da OAB/SP.

Mentora nos programas Batalha de Startups e Anjo Investidor, fundou o escritório Hilsdorf Advocacia em 2017, em que trabalha com Direito Imobiliário, Civil e Processual Civil, Família e Sucessões, Planejamento Tributário e Empresarial. 

Desde 2021, está a frente da ABH Treinamentos e Negócios Digitais, uma plataforma de empreendedorismo que ensina o que é necessário para fundar uma Startup

Além disso, tem um curso voltado para advogados que pretendem se especializar no segmento de Startups.

Em nossa conversa com minha co-host Jehniffer Santana, Adriana explica o que define uma startup segundo a legislação brasileira, como investir em uma e, se você for um empreendedor, dá dicas para conseguir investimentos para seu negócio. 

O que é uma startup? 

Segundo Adrianna, a startup é uma empresa em que o empreendedor achou um espaço no mercado que configura uma dor real, e que utiliza tecnologia para criar um produto ou serviço para resolver essa dor que seja escalável e repetível, ou seja, que aumente o seu faturamento exponencialmente, mantendo o mesmo nível de receita.

Por isso, são empresas inovadoras e nascentes que criam um produto ou serviço passível de ser tracionado com outras ferramentas no futuro.

No Brasil, o marco legal das startups, sancionado em junho de 2021, trouxe um conceito mais robusto para o que define uma startup: 

  • CNPJ de até 10 anos.
  • Faturamento de até 16 milhões.
  • Ter no contrato social que a empresa utiliza mecanismos de inovação.

Se passar de um desses pontos – como superar o nível de faturamento, ou passar de 10 anos de existência – a empresa se desenquadra do quadro de startups.

Isso significa que a empresa não estará mais incluída no sistema de menor tributação, por exemplo.

Qual o processo para construir uma startup?

O primeiro passo é definir seu MPV (mínimo produto viável), que funciona como um protótipo do produto ou serviço ofertado.

Com isso definido, Adrianna Hilsdorf explica que existem cinco principais fases de uma startup:

  • Bootstrapping: a primeira fase consiste em juntar capital próprio para fazer o projeto sair do papel. São investimentos que saem do bolso do próprio empresário (como vender carro e bens pessoais, usar o patrimônio guardado etc.).
  • Family, friends and fools: aqui, pessoas próximas ou que acreditam no projeto podem fazer um empréstimo ou investir na empresa. De forma geral, o investimento nesta fase ainda é pequeno.

Normalmente, as duas primeiras fases são mais bagunçadas, é comum que o empresário ainda não tenha um advogado e nem um contrato social adequado – somente o CNPJ. 

Após isso, o próximo passo é encontrar o seu Product Market Fit (PMF) – versão melhorada do MVP que vai tracionar o negócio e te dar dinheiro, aumentando a receita e mantendo os mesmos níveis de despesa.

Então, passamos para a terceira fase, em que o empresário vai buscar um investidor anjo.

  • Investidor anjo: nesta etapa, investidores profissionais entram na sociedade com uma quantia maior de capital. É aqui que o dinheiro começa a entrar de verdade no projeto.
  • Venture capital.
  • Private equity.

Essas duas últimas fases envolvem investimentos de grande capital. Normalmente, a startup deixa de ser enquadrada com uma startup quando começa a receber ofertas do private equity, já que envolvem empresas com receita e fluxo de caixa mais sólidos.

O que avaliar antes de investir em uma startup?

Não dá para saber qual startup vai bombar e virar um unicórnio, mas com alguns fundamentos é possível ter uma ideia se vale a pena investir naquela startup ou não. De acordo com Adrianna, os pontos mais importantes para olhar são:

  • Nicho, tamanho do mercado, quem são os concorrentes.
  • Qual dor o produto ou serviço soluciona.
  • Números de faturamento em comparação com concorrentes.
  • Quanto a startup vale hoje, e quanto está sendo pedido.
  • Para onde vai o dinheiro que será investido.
  • E ROI – Return Over Investment, em português, Retorno Sobre Investimento – esperado.

Se o projeto se enquadrar dentro da categoria SaaS (Software as a Service, ou software como serviço), ainda pode-se avaliar o CAC, que seria o Custo de Aquisição por Cliente, e o LPV (Lifetime Value), que mede o “valor vitalício” desse cliente.

Como o investimento acontece?

A advogada explica que o mais comum é utilizar um documento chamado de Mútuo Conversível.

Trata-se de um contrato em que o investidor empresta seu dinheiro por um período de tempo, e em contrapartida, tem direito de converter esse empréstimo em participação societária no futuro.

Para isso, o documento vai adotar diversas cláusulas, das quais as principais são:

  • Direito de preferência: que prevê a possibilidade de futuras rodadas de investimentos envolvendo quantias significativamente maiores de outros interessados. Neste caso, o investidor terá a preferência para não ser diluído, e terá o direito de fazer o investimento nas mesmas condições, ou negociar um desconto.
  • Direito de informação e prestação de contas.
  • PUT option: cláusula que garante ao investidor o direito de vender sua participação societária caso o projeto dê errado. Neste caso, o empreendedor tem a obrigação de comprar a participação do investidor.

Além disso, o documento também prevê se a sociedade pode se transformar de limitada para S.A. Isso é importante porque quando o investidor fizer essa conversão, o ágio é tributado na sociedade limitada, mas não na S.A. Então, é mais uma manobra para que o investidor não pague imposto na hora da conversão. 

Por onde conseguir investimentos?

A maioria dos investimentos acontecem a partir de networking, mas existem diversos programas que são próprios para isso:

Batalha das Startups, Sebrae, aceleradores, incubadoras e crowdfunding – possível por meios de plataformas como a 3C Invest – são exemplos de programas que ajudam pequenos empresários a atrair investidores e alavancar seus negócios.

E você… já investiu em uma startup?

Deixe lá nos comentários! Se quiser acompanhar as edições futuras do podcast, clique aqui e inscreva-se agora. Todo domingo, às 19h em ponto, tem edição nova – e durante a semana, os cortes com os melhores momentos de cada edição.

Sobre o At The Money

Investimentos, empreendedorismo e a história das pessoas que estão, de fato, no dinheiro. 

O At The Money é o podcast da Invius Research apresentado pelos fundadores Leo Dutra e Jehniffer Santana. Nele, trazemos convidados de várias áreas diferentes, mas com ideias de alto valor para serem compartilhadas.

QUERO ACOMPANHAR O AT THE MONEY


Leituras recomendadas:

5 Aplicativos Para Investidores Otimizarem Os Seus Investimentos

Livros Para Investidores: 5 Indicações Para Quem Quer Começar A Investir

Aulas sobre o Mercado de Opções

Como fazer análise dos gráficos para operar opções

Nesta aula gratuita vou te explicar analisar gráficos para operar opções e como funciona o comportamento…

Como multiplicar os dividendos das suas ações

Vou te ensinar como utilizar o mercado de opções para multiplicar os dividendos das suas ações

Como usar estatística para operar opções

Tenha alta taxa de acerto com ganhos expressivos. Nesta aula você vai entender como usar estatística…

Você pode se interessar

TSM: Como ele fez mais de US$ 8 mil com esse ativo

No final do ano passado, comecei a trabalhar com as ações da TSM com os meus…

Como usar opções para comprar ações a custos menores

Você sabia que é possível utilizar as opções para comprar ações por um preço menor? E…

PRIO3: a empresa que tem dado mais de 2% ao mês

A PRIO3 (PetroRio), é uma empresa com a qual temos trabalhado bastante no nosso canal de…